A BANDEIRA

Resultado da Lei ou da tradição, a Bandeira é o símbolo representativo de um grupo: seja um Estado, uma região, uma cidade, uma empresa, uma sociedade ou simplesmente um individuo.
Ligada a princípios básicos como a simplicidade, a simbologia e a distintividade, a Bandeira é um elemento de nobreza de entre todas as simbologias e representações.

A Bandeira de Cruz das Almas é formada de um retângulo com fundo na cor amarelo ouro, sobreposta com uma cruz firmada de preto, acompanhada de quatro enxadas; em que o amarelo ouro é alusivo às riquezas das suas terras férteis e as enxadas simbolizam a atividade agrícola aqui muito bem desenvolvida. O conjunto da obra, portanto, é uma referência ao nome da cidade – Cruz das Almas.

Instituída por decreto pelo então prefeito Dr. Fernando Carvalho de Araújo, em 29 de julho de 1971.

A SUMAÚMA

Sumauma

Sabia que a árvore Sumaúma, no parque de mesmo nome localizado no Bairro Lauro Passos, foi tombada pelo Município em 2007? Mas calma! Isto quer dizer que, desde então, oficialmente ela faz parte do TOMBO, ou seja, do Patrimônio Ambiental do Município de Cruz das Almas.

Dizem ainda que a árvore Sumaúma, que dá nome ao Parque no bairro Lauro Passos, foi um presente de Hélio Passos para seu irmão Lauro Passos que completara 50 anos de idade. A muda parece ter vindo da Praça Campo Grande, de Salvador para a frente da Fazenda Bonsucesso.

Sumauma3

Árvore da família das bombacáceas, a mesma da paineira e da munguba, a sumaúma (Ceiba pentandra) atinge cinqüenta metros de altura e é também conhecida por sumaumeira, árvore-da-lã, árvore-da-seda ou paina-lisa. Tem folhas digitadas, sustentadas por pecíolos longos, e dá flores brancas, campanuladas.

As raízes tabulares, ou sapopemas, que se desenvolvem como largas escoras ao redor da base do tronco, ajudando a sustentá-lo, são a característica mais marcante da sumaúma, uma das árvores mais imponentes da América do Sul, encontrada em estado espontâneo por toda a região amazônica.

Os frutos, grandes cápsulas com até trinta centímetros de comprimento por cinco de diâmetro, encerram numerosas sementes envolvidas por um tufo de filamentos sedosos que constituem a paina da sumaúma. Sob o nome de kapok, esta paina, extremamente flexível e de superior qualidade, já foi muito utilizada para o fabrico de salva-vidas e bóias, pois suporta de 30 a 35 vezes seu próprio peso na água. A sumaúma, que em condições naturais nasce em terra firme e nas várzeas, multiplica-se a partir de sementes e é extremamente longeva, pois chega a viver mais de cem anos.

(FONTE: Informações do editor e https://biomania.com.br/artigo/sumauma )

O BRASÃO DE ARMAS

A imagem do Brasão de Armas do Município em seu simbolismo tem um riquíssimo significado e pouco divulgado. Consta de Escudo de ouro, em Cruz firmada de preto, acompanhada de quatro enxadas do mesmo esmalte e insígnias; é coroado por mural com quatro torres de prata, que representa cidade municipal e ostenta o lema “DEUS ADJUVAT” em letras de ouro sobre listel preto. No Escudo foi tomada a Cruz em preto, como referência ao nome da cidade – Cruz das Almas. O ouro alude às riquezas de suas terras férteis e as enxadas simbolizam a atividade agrícola dos seus naturais, que, como enuncia o lema “Com a ajuda de Deus”.

(FONTE: Prof. Manoelito Roque Sá, em seu livro ACTAS E ATOS Resumo Histórico da Câmara Municipal de Cruz das Almas e outros Fatos).