A FESTA DA PADROEIRA

Dezembro de 1939

Antigamente, a festa da Padroeira Nossa Senhora do Bonsucesso era realizada na primeira semana de dezembro, apresentava um cenário bastante diferente do presenciado atualmente. Na parte sacra não houve grandes mudanças, porém na profana ocorreram significativas modificações quanto à qualidade e a quantidade das atrações oferecidas. O tempo, na sua marcha evolutiva irreversível, levou muitas delas para o arquivo das recordações, às quais temos o imenso prazer de relembrá-las. Não existem mais nas quermesses com seus leilões: as bancas de jogos de diferentes modalidades, o “Bumba Meu Boi” de André Derrapante e a “Burrinha” de Zé de Bibiano, as doceiras com seus tabuleiros repletos de doces de sabores variados, sempre iluminados pelos tradicionais candeeiros a querosene, entre as quais Chica Pavão, Joaninha Cachimbo, Maria Sapé, Justiniana e Olegária. Apenas restou a queima de fogos variados e específicos para o evento, cuja fabricação os sucessores do Totônio Fogueteiro deram continuidade.

(FONTE: NARRATIVAS QUE A MEMÓRIA CONSERVOU – CRÔNICAS de Leandro Costa Pinto de ARAÚJO, 2015.)

A DIOCESE DE NOSSA SENHORA DO BOM SUCESSO

Sede Episcopal da Diocese de Nossa Senhora do Bom Sucesso, Cruz das Almas (BA)

Paróquia de Cruz das Almas, criada em 1815.

A Diocese teve sua criação em 22 de novembro de 2017 e instalação em 28 de janeiro de 2018 .

Forania 1

Endereço: Praça Senador Temístocles, s/n

Centro 44380-000 – Cruz das Almas – BA

CNPJ: 15.257.983/0005-47

Fone: (75) 3621-4021 / 3621-1344

e-mail: pacalmas@gmail.com

Site: www.pnsbscruz.com.br

Expediente: de segunda a sexta, das 7h30 às 12h

e das 13h30 às 17h. sábado, das 7h30 às 11h30

Aux. Adm.: Maria Helena da França Braga e

Elisangela da Fonseca Ribeiro Reis

Pároco: Pe. Josevaldo Carvalho Nascimento

Vigário Paroquial: Pe. Osnir Brandão dos Santos

Pároco Emérito: Mons. José de Souza Neiva

Diácono: Washington Murilo Carvalho Peixoto

Dia da Padroeira: 15 de setembro

(FONTE: http://www.ceris.org.br/diocese-de-cruz-das-almas)

HISTÓRIA DA PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM CRUZ DAS ALMAS

Histórico: O início do trabalho de evangelização dos batistas no município de Cruz das Almas ocorreu na década de 1940. O casal Francisco Marques de Souza e Angélica Freitas de Souza, membros da Segunda Igreja Evangélica Batista na Capital – Salvador, chegou à cidade por ocasião da transferência da Escola Agronômica da Bahia (hoje Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB) de Salvador para o município de Cruz das Almas em 1943. Ele, mestre de obras da Escola Agronômica, assim que estabeleceu residência nesta mesma localidade, iniciou juntamente com sua esposa, o trabalho de evangelização. Depois de algum tempo reunindo-se em casas, o evangelista Francisco Marques organizou em 1945 a Congregação Batista em Cruz das Almas. No mesmo ano, o Pastor da Primeira Igreja Batista em Castro Alves, Belmiro Sampaio, foi convidado para realizar a profissão de fé e batismos dos novos convertidos. De acordo com o registro no Livro de Atas da Segunda Igreja Evangélica Batista na Capital, dentre os primeiros a descerem às águas batismais, em 31 de março de 1946, está Adelelmo Costa. Na mesma época, o intenso trabalho missionário deu origem à Congregação Batista no Araçá (zona rural do município). Até o ano de 1949, o trabalho de evangelização e pastoreio dos irmãos de ambas as congregações foram realizados pela Segunda Igreja Evangélica Batista na Capital em parceria com a Primeira Igreja Batista em Castro Alves, quando os membros das duas congregações foram transferidos para a Primeira Igreja Batista em Castro Alves.

A emancipação: A emancipação se deu num culto festivo em 18 de março de 1951, organizado numa sessão extraordinária, realizada em 07 de março de 1951, presidida pelo Pastor Fileto de Souza Barreto, da Primeira Igreja Batista em Castro Alves. Os membros fundadores foram 65, sendo 33 da Congregação de Cruz das Almas (Adelelmo Costa, Angélica Freitas de Souza, Antônio Cardoso de Andrade, Antônio Cavalcante, Armando Silva Lima, Claudionor Assunção, Deoclécio Alves, Eremita Pereira de Oliveira, Etelvita Souza, Francisco Marques de Souza, Francisco Pereira Alves, Gilberto de Jesus, Herundina Souza Santos, Joana Santos, João Celestino da Silva, José Francisco de Souza, José Salustiano de Souza, Josefa Delfina Andrade, Josefa Sales Santos, Juraci Alves Pereira, Leopoldina do Sacramento, Letícia Souza Pinto, Maria das Neves, Maria Pereira, Martinho Seixas de Oliveira, Matildes Souza, Odilon Vieira dos Santos, Railda Costa, Raimundo dos Santos, Rita Maria Batista Costa, Rosalina Lima dos Santos, Severo Bispo dos Santos, Teodora de Jesus) e 32 da Congregação de Araçá (Alexandrina Alves Leite, Alice Fernandes Nascimento, Alzira Queirós de Santana, Amália Peixoto Eloi, Antônio Alves Costa, Augusta de Jesus Peixoto, Domingos Pereira Santana, Eurenice de Souza Alves, Filomena Peixoto Eloi, Flora Santos Alves, Georgina Alves Costa, Glória Pereira Barbosa, Helena Conceição, Isadoria Cândida do Sacramento, Isaura Conceição, Jardelina Madalena da Conceição, João Batista da Costa, João Nascimento Borges, José Antônio Magalhães, Lindaura Caldas Nascimento, Manuel Caldas Correia, Manuel Souza Nunes, Maria Almeida, Maria Alves Leite, Maria Borges Magalhães, Maria de Lourdes Batista de Oliveira, Maria Santana, Mario Alves Costa, Maura de Souza Nunes, Odília Lemos Ribeiro, Pedro Pereira Rodrigues e Roque José Ribeiro).

Filiação à Convenção Batista da Bahia: A nossa Igreja é filiada a CBBa e à Associação Batista do Vale do Paraguaçu.

Templos: Antes da sede atual (inaugurada em 1965), localizada na Rua Professor Mata Pereira, nº 420, Centro, a Primeira Igreja Batista funcionou em dois outros templos provisórios: o primeiro na Rua Rui Barbosa (antiga Rua da Estação), nº 2, onde a congregação foi emancipada e outro na mesma rua do templo atual (nº 515).

Expansão: A PIB em Cruz das Almas, visando formar e nutrir discípulos de Cristo, tem experimentado a expansão do Reino de Deus, através da multiplicação de igrejas e congregações: São cinco igrejas emancipadas: Igreja Batista Nova Betel, Igreja Batista Moriá, Segunda Igreja Batista em Cruz das Almas, Igreja Batista Nova Vida e Igreja Batista Nova Jerusalém em Itatim; seis congregações: Suzana, Chapadinha, Vilarejo, São Judas Tadeu, Cabaceiras do Paraguaçu e Duvê Baron em Camaçari; um ponto de pregação na Rua Crisógno Fernandes; e duas frentes missionárias: Fonte do Doutor e Pumba. Vale destacar que a inauguração da extensão do Seminário Teológico Betel Brasileiro (sede em João Pessoa) em 2005 ampliou de modo significativo o potencial da PIB como celeiro de obreiros (pastores, missionários, líderes, professores).

Primeira Igreja Batista em Cruz das Almas na atualidade: Desde 18 de março de 1984, nossa Igreja é pastoreada pelo pernambucano Pastor Josias Aureliano da Silva: Servo do Deus Altíssimo, que ao longo desses 35 anos de ministério, vem dedicando-se integralmente ao desenvolvimento do Reino de Deus através dessa agência de evangelização. Referência no município de Cruz das Almas e municípios circunvizinhos, a Primeira Igreja Batista, através de seus Ministérios, organizações e congregações, tem se comprometido com a missão integral da Igreja, buscando o desenvolvimento dos valores do Reino de Deus através da manifestação do amor e da justiça, tanto em âmbito pessoal como em âmbito comunitário.

Pesquisa relizada pela Equipe de Elaboração de Memorial da PIB em Cruz das Almas: Deuma dos Santos Silva (Coord.), Pr. Edvan Avelar Silva, Diáconos Edmundo Fonseca Santos, Helenilda Santos de Meireles Almeida e Maria José de Jesus Fonseca Santos.


(Fontes: Livros de Registros de Atas das Igrejas: Primeira Igreja Batista em Cruz das Almas, Primeira Igreja Batista em Castro Alves e Segunda Igreja Evangélica Batista na Capital.)

Publicado in: http://assembleia.batista.org.br/cbba/pibcruzdasalmas/

HISTÓRIA DA IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS EM CRUZ DAS ALMAS

 

A partir de relatos do documentário produzido pela Igreja Assembleia de Deus em Cruz das Almas (ADECAL), a Igreja foi fundada em 21 de maio de 1936, na Rua Rui Babosa, dirigida pelo pastor Aristóteles Bispo. Porém, há relatos que anos antes outros pastores já haviam evangelizado na cidade, entre eles estão Pr. José Moreira e Silva, Pr. Eugênio Cavalcante Rocha e Manoel Francisco Rocha.

As ações propostas pelo projeto intitulado “A Década da Colheita” contribuíram e muito para o processo de expansão da Igreja Assembleia de Deus, em especial na cidade de Cruz das Almas, que segundo relato do Presbítero Reginaldo Santana, a ADECAL tinha somente 15 congregações antes da década de 1990. De acordo com últimos dados da Igreja Assembleia de Deus supracitada, possui um Templo Sede, 38 congregações distribuídas na zona urbana e rural e alguns pontos de pregações e tem como pastor presidente, o Pr. Esron Gonçalves Silva.

(FONTE: http://anpuhba.org/wp-content/uploads/2013/12/Danilo-Santos.pdf )

PRIMEIRA IGREJA PRESBITERIANA DE CRUZ DAS ALMAS

IPCA

HISTÓRIA – As primeiras incursões do presbiterianismo na Bahia foram promovidas por Francis J. C. Schneider – colaborador do Rev. Simonton – ainda em 1871, em Salvador. Em 1872 ele fazia os primeiros batismos na cidade. Também colaboraram neste período na Bahia Alexander L. Blackford e George W. Chamberlain (portanto, três importantes pioneiros do presbiterianismo no Brasil). Outros missionários enviados por outras regiões dos EUA prestaram importante serviço, como o Rev. John Benjamin Kolb e o Rev. William Waddel – que fundou uma escola presbiteriana em Ponte Nova. Em 1903 foi construído o primeiro templo e a igreja já prosperava. Em 1950, o Sínodo Bahia-Sergipe incluia os presbitérios de Salvador, Campo Formoso e Itabuna.

Foi no início da década de 80 [fevereiro de 1982] que um grupo de irmãos presbiterianos, vindos de diversas regiões, majoritariamente de Salvador, se instalou em Cruz das Almas, principalmente sob influência das operações da Odebrecht nas obras da Hidrelétrica Pedra do Cavalo. Esses irmãos empreenderam esforços para fundar uma congregação presbiteriana. À convite do grupo, o Rev. Eliezer Araújo, então ministro em Itabuna, fundou a congregação na cidade e a entregou à responsabilidade dos irmãos, que procuraram o Presbitério de Salvador para assistência. Assim, nossa igreja surgiu sob a figura da congregação presbiterial. É preciso notar que embora os fundadores e primeiros membros da congregação sempre tenham se sentido independentes e, de fato, eram para todos os efeitos, o que caracteriza a congregação presbiterial, nos termos da nossa constituição, é justamente o fato de não ser capaz de governo próprio. Essa situação difícil e inadequada perdurou por mais de 30 anos.

O trabalho iniciou num prédio situado à Rua Leopoldo Cesarano [Rua da Malva], com esses primeiros irmãos. No início dos trabalhos, vinham ministros de Salvador para realizar os atos pastorais e vinham missionários, durante a semana, para evangelização. Apesar de ser uma comunidade pequena, exerceu influência suficiente para conquistar, junto ao prefeito Claudomiro Pamponet, a doação de um terreno para a construção do templo. Os fundamentos da construção chegaram a ser lançados numa cerimônia simbólica de que participou o próprio prefeito, em 1983. No entanto, com a mudança de governo a promessa foi desfeita, pois o terreno não chegou a ser formalmente passado para o nome da igreja.

A congregação se transferiu para outro prédio, na Rua Ruy Barbosa [Rua da Estação], onde funcionou durante algum tempo. Durante esse período, em função da saída de alguns membros – por força da conclusão das operações da Odebrecht em Pedra do Cavalo, a congregação enfrentou alguns problemas financeiros. Depois de ter adquirido um terreno em que construiria o seu templo e enquanto o construía, a congregação chegou a se reunir – mas uma vez, em função do prestígio conquistado na cidade – no Colégio Virgildásio Sena. Mesmo sob tais condições, a congregação chegou a sediar encontros presbiteriais de adolescentes e eventos semelhantes.

A construção foi concluída e a congregação se transferiu para o seu atual endereço, na Rua Pedro Manoel da Silveira, em fins da década de 1980, quando também foi transferida do Presbitério de Salvador para o recém criado Presbitério Central, com sede em Feira de Santana. Mesmo assim, durante algum tempo, a congregação permaneceu desassistida, infelizmente. A congregação foi para o novo templo em 1991. Durante a década de 1990, em que a congregação passou a ter obreiros em tempo integral, outras dificuldades foram ainda enfrentadas pela congregação, como o assédio do movimento G12. Durante boa parte desse período, o governo e o ensino na igreja foram conduzidos por uma mesa administrativa constituído por mulheres, o que está em clara contradição com os documentos da IPB e as Sagradas Escrituras.

(FONTE: http://ipcaipb.wixsite.com/ipcruzdasalmas)