ESTAÇÕES GÊMEAS?

Vejam a incrível semelhança entre estas antigas estações ferroviárias: a primeira é a daqui de Cruz das Almas, e a segunda, já demolida, é de Feira de Santana.

Há quem diga, talvez baseando-se simplesmente na semelhança do desenho arquitetônico, que ambas as estações foram projetadas por Oscar Niemeyer; este blog, porém, em suas pesquisas ainda não encontrou registro documental algum que possibilite afirmar essa versão. 

Anúncios

A JORNALISTA JACINTA PASSOS

Jacinta Passos, jornalista e poeta, Salvador (1943)

Você sabia que a escritora cruzalmense Jacinta Passos tornou-se uma das mais ativas jornalistas da Bahia na década de 40? Escrevendo sobre os assuntos que mais a interessavam, pelos quais lutava: política, transformações sociais e posição da mulher na sociedade, colaborou também com jornais e revistas do Rio de Janeiro e de São Paulo. Militante do Partido Comunista Brasileiro de 1945 até a morte, em 1973, dedicou grande parte da vida ao trabalho penoso, clandestino e cotidiano de luta por um Brasil menos injusto.

(FONTE: http://www.elfikurten.com.br/2015/07/jacinta-passos.html )

A FESTA DA PADROEIRA

Dezembro de 1939

Antigamente, a festa da Padroeira Nossa Senhora do Bonsucesso era realizada na primeira semana de dezembro, apresentava um cenário bastante diferente do presenciado atualmente. Na parte sacra não houve grandes mudanças, porém na profana ocorreram significativas modificações quanto à qualidade e a quantidade das atrações oferecidas. O tempo, na sua marcha evolutiva irreversível, levou muitas delas para o arquivo das recordações, às quais temos o imenso prazer de relembrá-las. Não existem mais nas quermesses com seus leilões: as bancas de jogos de diferentes modalidades, o “Bumba Meu Boi” de André Derrapante e a “Burrinha” de Zé de Bibiano, as doceiras com seus tabuleiros repletos de doces de sabores variados, sempre iluminados pelos tradicionais candeeiros a querosene, entre as quais Chica Pavão, Joaninha Cachimbo, Maria Sapé, Justiniana e Olegária. Apenas restou a queima de fogos variados e específicos para o evento, cuja fabricação os sucessores do Totônio Fogueteiro deram continuidade.

(FONTE: NARRATIVAS QUE A MEMÓRIA CONSERVOU – CRÔNICAS de Leandro Costa Pinto de ARAÚJO, 2015.)