A IMPORTÂNCIA DA FEIRA LIVRE EM CRUZ DAS ALMAS

(…)

As feiras livres evidenciam a forte relação do campo com a cidade, pois aquilo que vem do campo abastece a cidade, garante a sobrevivência de várias famílias e movimenta a economia local. Essa população de feirantes de Cruz das Almas, em sua maioria rural, possui um forte vinculo com o urbano, devido ao seu papel no abastecimento na cidade. Ao mesmo tempo, entende-se que essa população dependente do comércio e serviços oferecidos pela cidade, e ,sendo assim, apesar da sua população no circuito inferior da economia ela acaba contribuindo para o crescimento do circuito superior, tornando-os, um grande contribuinte para a movimentação da economia de cidades como Cruz das Almas.

(…)

Grande parte da população rural que trabalha na feira produz seus produtos em família, em especial os derivados da mandioca como farinha, beiju, tapioca e goma. As frutas, exceto as compradas no atacado produzidas pelo agronegócio, são colhidas nas áreas rurais e também ser vendidas de acordo com sua época de colheita.
Nos dias de feira essa população, que em muitas das vezes tem na venda desses produtos sua única forma de sobrevivência, chega ao centro da cidade às 4:30 da manhã. e a oportunidade, apesar de muito trabalho, de rever clientes e amigos, trocar informações e contar seus causos, tornando esse espaço um local de relações socioculturais. Grande parte da população urbana compra frutas, legumes e farinha de mandioca e seus derivados na feira, pois, além do menor preço em relação aos supermercados, segundo os consumidores,as frutas e legumes vendidos nos tabuleiros ou até mesmo no chão da feira possuem um sabor melhor; a farinha e outros derivados da mandioca, muitas das vezes, podem ser comprados ainda quentes. Além dessas vantagens, o local favorece a negociação dos preços das mercadorias e nele criam-se laços de fidelidade e amizade entre fregueses e feirantes.

A feira livre de Cruz das Almas apresentou momentos de grande importância histórica. Em 1947, o Jornal Tribuna Popular divulgou a construção do mercado municipal para abrigar feirantes do comércio de cereais e de carne. (AGUIAR, 2007). A partir desta data o espaço da feira livre começou a apresentar uma nova dinâmica, atraindo outros comércios para dentro e no entorno da feira.

(FONTES: FEIRA LIVRE DE CRUZ DAS ALMAS UMA RELAÇÃO ENTRE A POPULAÇÃO RURAL E OS CIRCUITOS INFERIOR E SUPERIOR DA ECONOMIA. por Marcos Vinicius Almeida Conceição. in http://periodicos.uesb.br/index.php/ascmpa/article/view/4417 ; DINÂMICA ESPACIAL DA FEIRA LIVRE DE CRUZ DAS ALMAS: UMA LEITURA A PARTIR DAS PROPOSIÇÕES DE GESTÃO E PLANEJAMENTO MUNICIPAL, por Daciane de Oliveira Silva, Graduada em Administração pela UEFS in http://periodicos.uesb.br/index.php/ascmpa/article/viewFile/3635/3322)

FOTO 1 - Acervo IBGE Municípios e FOTO 2 - Editonio Solidade

Publicado por Edisandro Barbosa Bingre

Paulistano de nascimento, mas radicado em Cruz das Almas desde o início dos anos 80, o que o levou a desenvolver um grande amor por esta terra. Escritor, Professor, Técnico em Agropecuária, estudante de Gestão Pública, Cerimonialista e Servidor Público Municipal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: