MEYRE KAL, A BELA VOZ DO HINO DE CRUZ DAS ALMAS.

meyre_capa_final

Mary Lêda Barreto Caldas Silveira, conhecida artisticamente como Meyre Kal, é uma cantora, locutora, produtora artística e cultural, nascida em 19 de Dezembro de 1966, na cidade de Cruz das Almas, localizada no Recôncavo Baiano. Defensora do forró (influência musical que herdou do seu avô paterno e também do seu pai que tocavam acordeom). Seu pai desistiu de ser músico e resolveu formar e dirigir, com alguns amigos, uma banda baile “Os Líderes”, os ensaios eram no fundo de casa, ela cresceu ouvindo todos os estilos musicais. Começou seus primeiros passos na música cantando na Igreja Católica da cidade onde nasceu. De família tradicional do mundo da comunicação e da música, não tinha como não se envolver com essa linha de trabalho, foi locutora de rádios da cidade e logo pintou o convite de um empresário para integrar a Banda Energia, vendo Meyre Kal cantar MPB e Serestas acompanhada por grandes músicos de Cruz das Almas em bares da cidade.
Sempre engajada com causas sociais Meyre Kal também foi integrante do Conselho Tutelar e lutou pela defesa dos direitos da criança e do adolescente e atualmente é diretora da AMA – Associação de Mulheres Amigas de Cruz Das Almas.
No mundo da música, sua grande paixão, Meyre Kal tem uma vasta experiência, tendo pisado em vários palcos e trios elétricos, mostrado sua voz em programas de TV e emplacando sucessos em rádios, tanto em carreira solo como integrando grandes bandas.
No seu currículo artístico destacam-se Banda Oliveira, Nova Banda, Banda Estrelar, Norberto e Banda Turbo, Banda Meduza, Levada da Zabumba, Banda Griff (hoje Acarajé com Camarão), Palco Livre, Sarapatel com Pimenta, Os Mamulengos, Flor de Cactus, Menina Veneno, Moura Brasil, Os milionários entre outras.
Integrou a banda do cantor e produtor Bonfinzinho, da cantora Tânia Luz e Forró Zabumbada e teve a felicidade de também trabalhar com a cantora e compositora Nairzinha.
Em 1989 participou da coletânea “Lambada Brasileira”, da Gravadora RGE com a música “Acesa por você”, do compositor Osmarosmam, gravado até por Xuxa. Essa música esteve entre as 10 mais tocadas, durante vários meses nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Além de Salvador e interiores da Bahia, a voz de Meyre Kal pôde ser conferida nos estados de São Paulo, Sergipe, Espírito Santo, Alagoas e Pernambuco.
Entre outros projetos, leva seu trabalho a frente da banda de forró Beiju de Coco, o que lhe possibilita estar em contato com ritmos regionais como o xote, baião, xaxado, galope. Autênticos do pé-de-serra, além de incluir elementos eletrônicos que são muito utilizados por bandas de forró atualmente. Sendo de Cruz das Almas, uma cidade genuinamente junina, não poderia se furtar a trabalhar com um estilo que tanto tem a ver com seus momentos de juventude e com sua terra natal. Atualmente integra também o Canto Coral da UFRB.
Entre as canções que tem sua voz como base principal destacam-se “Acessa por Você”, “Canto de Dor”, “Te Quero Muito Mais”, “Forró de Interior”, ”Meu Paraíso”, “Maré Cheia”, “Nosso Coração”, “Ilusão” “Guaibim”, “O Samba” e “Volta pra Casa”.

(FONTE: http://meyrekal.blogspot.com.br/)

O PRIMEIRO GESTOR DE CRUZ DAS ALMAS

Conego

O Cônego Antônio da Silveira Franca foi empossado no Cargo de Intendente da Villa em 1º de dezembro de 1897 e governou patrioticamente o município até 14 de outubro de 1901, quando renunciou o mandato, tendo de retirar-se para a Capital da Província para exercer atividades pastorais. Teve a incumbência de organizar, administrativamente e socialmente, o novo município.  Foi eleito em 3 de outubro daquele mesmo ano, com 342 votos,  quando foram também eleitos os 07 membros do Conselho Municipal, que eram denominados Conselheiros.

Vale lembrar que na época de Intendência Municipal, o gestor e seus conselheiros não recebiam remunerações; ou seja, não recebiam salário pela atuação como edis.

O Cônego Antônio da Silveira Franca foi um vigário cônscio de suas responsabilidades e zeloso conselheiro da comunidade cruzalmense. Como 1º Prefeito,  direcionou suas atenções principalmente para a Educação e Saúde. Consertou as ladeiras de Poções, Pombal e Caminhoá; aumentou o cemitério; pintou o mercado; fez esgotos, etc.

Há um pensamento do Cônego Franca que bem esclarece a sua preocupação com a educação: “Convém disseminarmos a instrução pública, que até certo ponto esteve descurada entre nós, pois só assim conseguiremos o progresso do município, arrancando das trevas da ignorância os futuros cidadãos que hão de trabalhar pelo engrandecimento da pátria. Cada escola que abrirmos será mais um foco de luz que criamos, será mais um título de benemerência que conquistamos no presente e no futuro. Nos livramos da escravidão, que é a origem do servilismo e, portanto, do rebaixamento do caráter do povo. Cuidemos da instrução, porque só a ignorância faz o homem abdicar do direito mais sagrado que tem, que é a liberdade de pensar e de fazer o que lhe dita a consciência”.

(FONTES: O LIVRO DO CENTENÁRIO – Alino Matta Santana; ACTAS E ATOS – Manoelito Roque Sá.)

ESCOLA COMENDADOR TEMÍSTOCLES

Comendador

Transcorria o ano de 1927, quando o governo de Goes Calmon resolveu construir uma escola em Cruz das Almas. Por força das grandes dificuldades econômicas e mudanças políticas que ocorriam à época, no país, a obra da construção do prédio ficou parada por algum tempo, com o mato invadindo as construções iniciais.

Reiniciadas as obras, foi o prédio concluído e inaugurado em 21 de novembro de 1933, quando era Interventor Federal o tenente Juracy Magalhães, nomeado pelo então chefe da revolução de 30, Dr. Getúlio Vargas. Era prefeito de Cruz das Almas o Dr. Luiz Eloy Passos. Após inauguração, foi a escola entregue à administração da Professora Olga que desencadeou assim um longo e continuado trabalho, competente até os dias de hoje, prestado à infância cruzalmense. A Escola Comendador Temístocles sempre foi um ponto de irradiação educacional em Cruz das Almas. Nos tempos passados, quando a atual avenida Alberto Passos era uma sombria via, cheia de mato, a construção da Escola Comendador Temístocles foi um extraordinário avanço para esta terra.

(FONTE: O Livro do Centenário – Alino Matta Santana)